O DEM, seu passado e seu futuro

O partido Democratas surgiu do antigo Partido da Frente Liberal (PFL), originário, por sua vez, dos dissidentes do PDS, proveniente da ditadura militar. O Partido se esforçou em ser, durante as décadas da nossa nova democracia, um partido que fizesse contrapeso às cada vez mais violentas influências da esquerda e do imortal (quase zumbi) comunismo que dominava partidos como o PT e outros mais. Nunca apoiou ditadura nenhuma, nem mesmo a do proletariado, defendida por muita gente que faz o atual governo. (Até por quem quer ser Presidente ano que vem).
 
Está certo que o antigo PFL tinha seu vigor como o representante "mais radical" do que defendia o PSDB, que havia sido criado numa fusão de pessoas que tendiam para o centro das ideias, misturando liberalismo de mercado com socialismo pós-moderno numa mistura que ficou um tanto confusa nos oito anos de governo de FHC, adotada muito eficazmente pelo governo de Luís Inácio. Com esta postura mais conservadora, de fundamental importância para uma equidade nos debates nacionais, o PFL tinha suas raízes estruturais em grandes líderes do Nordeste do país.
 
Com a morte e aposentadoria desses líderes – entre eles Antônio Carlos Magalhães e Jorge Bornhausen – o partido se viu na necessidade de se reformular para este novo tempo de política brasileira, de um PT metamórfico e potentemente armado com a máquina estatal. Com isso surgiu o Democratas, ou simplemente DEM, que seria a cara de um partido formado da moçada originária daqueles líderes antigos; ou seja, mais refinada, com ideias inovadoras e disposta a fazer frente a um caminho que a política brasileira toma rumo ao unilateralismo.
 
Tomando decisões mais severas e menos "centristas" do que a dos maiores partidos do país, e tendo em vista seu passado que muitos acusam de "retrógrado", o partido logo começou a ser atacado. Uma das maiores franco-atiradoras é Eliane Catanhêde, da Folha. É ela mesmo que hoje defende o fim previsível do partido caso Serra perca a eleição. Eu não acredito nisso, definitivamente. Acredito no potencial dessa rapaziada, caso eles levem a sério esse papel de fiel-de-balança no país. Mas a opinião de Eliane não é toda má: mostra como a nova política age: dissolução dos extremos e fim das oposições. O que depender de mim, lutarei até o fim para que algo nesse sentido não aconteça.
Anúncios
Explore posts in the same categories: Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: