“Esquerdizando” a história e a arte

Vivemos em tempos estranhos: enquanto a sociedade se afunda mais e mais num “liberalismo moral”, num nihilismo ético, cresce mundialmente a militância daqueles que defendem “minorias” e suas demandas. É uma nova versão do velho esquerdismo: o bem das “classes” é melhor que o bem comum. E eles estão seriamente imbuídos nesta medida. Uma das últimas iniciativas foi um grupo que deseja banir “A Divina Comédia”, de Dante, do ensino na Itália. A obra conteria uma série de preconceitos inadmissíveis. JP Coutinho aborda isso hoje e toca num ponto fundamental: a falta de capacidade dos “intelectuais” de pensarem e julgarem o passado. Abordam o século XIV com o pensamento pós-moderno. Na verdade não: abordam qualquer época ou iniciativa com a mesma ideologia capenga de que os vilões são sempre vilões, e os mocinhos são sempre eles. Confiram o texto.

 

João Pereira Coutinho

Divinas comédias

Reduzir a ‘Divina Comédia’ a um mero catálogo de preconceitos é não entender sua natureza

1. Mais CEDO ou mais tarde tinha de acontecer: “A Divina Comédia” é um livro racista, homofóbico, anti-islâmico e antissemita, diz um grupo defensor dos direitos humanos que aconselha as Nações Unidas em matérias de discriminação e racismo.
O grupo dá pelo nome de Gherush 92 e não se limita a denunciar os alegados vícios da obra de Dante Alighieri (1265-1321).
Pretende igualmente que o livro seja retirado das escolas e das universidades, para evitar a disseminação dos maus exemplos.
Eis o velho código dos selvagens: o que não entendes, destrói. Porque reduzir a “Divina Comédia”, obra sublime de inícios do século 14, a um mero catálogo de preconceitos do século 21 não é apenas um erro grosseiro de anacronismo.
É não entender a natureza de uma obra que, ao apresentar uma gloriosa visão mística sobre os caminhos de salvação da alma humana, retoma e aprofunda o essencial da ortodoxia cristã.
Os Cantos 12-17 podem aterrar-nos, literária e visualmente falando, com a descrição do Sétimo Círculo do Inferno.
Mas Dante não está a dizer nada de particularmente original ao condenar os blasfemos, os sodomitas ou os usurários a castigos. Basta consultar os textos sacros para reconhecer a fonte onde Dante bebeu.
Por outro lado, Dante não se limitou a relembrar aos presentes o essencial da palavra cristã.
Para quem passou parte da existência na defesa da unidade da cristandade (contra os gibelinos, partidários do Sacro Império Romano; e contra o guelfos negros, partidários de Bonifácio 8º), assim se entende o lugar que o poeta reservou no Inferno para os inimigos dessa unidade. Que tanto podiam brotar do interior da igreja -o papa Celestino 5º é um exemplo- como do exterior dela -e Maomé, logicamente, é o candidato ideal ao título de cismático número um.
Tivesse Dante vivido no século 16, e não nos séculos 13 e 14, e seria inevitável encontrar no seu Inferno um tal de Martinho Lutero.
As patrulhas multiculturalistas que condenaram a “Divina Comédia” desconhecem a matéria básica sobre a qual dissertam.
E, com a arrogância própria dos ignorantes, exportam as suas patéticas categorias contemporâneas (Dante é racista, homofóbico, anti-islâmico etc.) para um mundo que apenas interpretam anacrônica e superficialmente.
Essa atitude, que vem embrulhada na capa da “tolerância”, é na verdade a marca suprema do fanatismo literalista. Porque só um fanático adere literalmente ao texto sem considerar a dimensão metafórica, cultural e contextual dele.
De resto, pretender que o livro seja retirado de escolas ou universidades não é para levar a sério. Se fosse para levar a sério, não haveria nenhuma razão para que a limpeza ficasse apenas pela “Divina Comédia”.
A história da cultura ocidental é um longo cortejo de obras que ofendem sempre a sensibilidade de alguém, algures -hoje ou no futuro.
Fazer depender a sobrevivência dessa cultura dos caprichos transitórios dos homens presentes é a melhor definição de vandalismo que conheço.
(…)
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/32234-divinas-comedias.shtml

 

Anúncios
Explore posts in the same categories: Lazer, Política, Religião

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: